Blog do Arcanjo

Categorias

Histórico

Conheça os melhores do teatro em 2016 por Miguel Arcanjo Prado

Miguel Arcanjo

21/12/2016 06h06

Zé Celso, Phedra D. Córdoba e Claudete Pereira Jorge: o melhor do teatro em 2016 - Fotos: Jennifer Glass, Bob Sousa e Humberto Araujo

Zé Celso, Phedra D. Córdoba e Claudete Pereira Jorge: o melhor do teatro em 2016 por Miguel Arcanjo Prado no UOL – Fotos: Jennifer Glass, Bob Sousa e Humberto Araujo

Mesmo em um ano difícil no plano econômico e político, o teatro brasileiro se manteve resistente, com diversos espetáculos de qualidade, como você acompanhou ao longo deste ano aqui no Blog do Arcanjo do UOL. Depois de fazer as listas dos melhores no primeiro semestre e dos melhores do segundo semestre, o colunista e crítico Miguel Arcanjo Prado escolhe os melhores de 2016 no teatro em 18 categorias. Veja.

Melhor espetáculo de 2016: "Pinheiros e Precipícios", da Selvática Ações Artísticas - Foto: Humberto Araújo

Melhor espetáculo de 2016: “Pinheiros e Precipícios”, da Selvática Ações Artísticas – Foto: Humberto Araújo

Melhor espetáculo de 2016: "Bacantes", do Teat(r)o Oficina - Foto: Jennifer Glass

Melhor espetáculo de 2016: “Bacantes”, do Teat(r)o Oficina – Foto: Jennifer Glass

Melhor espetáculo
“Pinheiros e Precipícios”, da Selvática Ações Artísticas, e “Bacantes”, do Teat(r)o Oficina
Mais instigante turma do teatro de Curitiba, a Selvática Ações Artísticas soltou os demônios da capital paranaense com elenco liderado por Claudete Pereira Jorge em performance inesquecível sob direção do inquieto Ricardo Nolasco. Já o mais longevo e importante grupo do teatro brasileiro, o Teat(r)o Oficina revisitou 20 anos depois a história de Eurípedes reescrita e dirigida de forma antropofágica por um renovadíssimo Zé Celso para dialogar com o Brasil em conflito dos tempos atuais. 

Melhor dramaturgia-texto: "Sala dos Professores", de Leonardo Cortez - Foto: João Caldas

Melhor dramaturgia-texto de 2016: “Sala dos Professores”, de Leonardo Cortez – Foto: João Caldas

Melhor dramaturgia-texto
Leonardo Cortez, por “Sala dos Professores”

Enquanto as escolas da vida real eram ocupadas por uma nova e aguerrida geração de estudantes, Leonardo Cortez escreveu um belo e sensível espetáculo a partir do ponto de vista do outro lado da carteira: a do professor acuado e desmotivado pelo opressor sistema educacional brasileiro. Um texto pungente que dialoga com a crise do Brasil contemporâneo.

Melhor diretor: José Celso Martinez Corrêa e José Roberto Jardim - Fotos: Gabi Cerqueira e Bob Sousa

Melhor diretor de 2016: José Celso Martinez Corrêa e José Roberto Jardim – Fotos: Gabi Cerqueira e Bob Sousa

Melhor direção
José Roberto Jardim, por “Adeus, Palhaços Mortos”, e Zé Celso por “Bacantes” e “Pra Dar um Fim no Juízo de Deus”

De forma inventiva e visceral, José Roberto Jardim fez da história de três velhos palhaços em busca de emprego uma ode à carreira do artista, brincando com o tempo e a linguagem teatral a cada cena. Já Zé Celso fez o que sabe fazer muito bem há praticamente 60 anos nos dois espetáculos: problematizou o Brasil no palco, deglutindo e regurgitando nossas mazelas e qualidades em forma de teatro que é pura poesia viva. 

Melhor ator: Leonardo Fernandes, por "Cachorro Enterrado Vivo" - Foto: Lia Soares e Suzana Latini

Melhor ator de 2016: Leonardo Fernandes, por “Cachorro Enterrado Vivo” – Foto: Lia Soares e Suzana Latini

Melhor ator
Leonardo Fernandes, por “Cachorro Enterrado Vivo”
O ator mineiro chegou quieto em São Paulo e abocanhou com seu sensível trabalho o respeito do público e da crítica especializada, em um monólogo sobre um cachorro enterrado vivo, no qual deu vida a três personagens, entre eles o próprio cão. Com uma entrega difícil de se ver nos palcos, o ator foi uma das melhores surpresas do ano e colocou seu nome entre os grandes das artes cênicas no país.

Melhor ator coadjuvante: Patrick Amstalden, por "O Musical Mamonas" - Foto: Divulgação

Melhor ator coadjuvante de 2016: Patrick Amstalden, por “O Musical Mamonas” – Foto: Divulgação

Melhor ator coadjuvante
Patrick Amstaldem, por “O Musical Mamonas”
Apesar de não fazer nenhum dos cinco integrantes da famosa banda de Guarulhos, Patrick Amstaldem foi o centro das atenções em cada cena que apareceu no musical, isso devido ao carisma, domínio do tempo cômico e ao talento inquestionável deste jovem ator. A impressão é que ele ainda se continha, para não roubar de vez a cena dos protagonistas. Um baita ator. 

Melhor atriz: Andressa Cabral, por "Blanche" - Foto: Bob Sousa

Melhor atriz de 2016: Andressa Cabral, por “Blanche” – Foto: Bob Sousa

Melhotr atriz: Nicette Bruno e Eva Wilma por "O Que Terá Acontecido a Baby Jane?" - Foto: Daryan Dornelles

Melhotr atriz de 2016: Nicette Bruno e Eva Wilma por “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?” – Foto: Daryan Dornelles

Melhor atriz
Andressa Cabral, por “Blanche”, e Eva Wilma e Nicette Bruno por “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?”
Falando em fonemol, a língua inventada pelo diretor Antunes Filho, Andressa Cabral demonstrou que não precisa de idioma algum para se comunicar com a plateia. Em uma peça que levou o nome de Blanche, a lendária personagem de Tennessee Williams foi sua Stella, que deixou o espectador hipnotizado com tamanha técnica e entrega a uma personagem demonstrada pela atriz. Andressa nos engoliu a todos nós. Já Eva Wilma e Nicette Bruno, octogenárias, demonstraram que o amor ao teatro não tem idade e que o tempo só faz bem à carreira de uma grande atriz. No caso, duas grandes atrizes em embate potente conduzido por Claudio Botelho e Charles Möeller, como as duas irmãs que misturaram amor e ódio em uma relação de rivalidade ao longo da vida. Cada uma fez brilhar a outra, como duas excelentes parceiras. E o público vibrou a cada cena.

Melhor atriz coadjuvante: Teca Pereira, por "O Que Terá Acontecido a Baby Jane?" - Foto: Edson Lopes Jr.

Melhor atriz coadjuvante de 2016: Teca Pereira, por “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?” – Foto: Edson Lopes Jr.

Melhor atriz coadjuvante 2016: Danielle Rosa, por "Bacantes" - Foto: Jennifer Glass

Melhor atriz coadjuvante de 2016: Danielle Rosa, por “Bacantes” – Foto: Jennifer Glass

Melhor atriz coadjuvante
Teca Pereira, por “O Que Terá Acontecido a Baby Jane?” e Danielle Rosa, por “Bacantes”
Nome experiente e fundamental do teatro paulistano, Teca Pereira não se fez de rogada e enfrentou à altura os mitos Nicette Bruno e Eva Wilma nesta que foi a primeira montagem teatral do texto sucesso em Hollywood. Teca demonstrou segurança cênica e deixou escapar a veia cômica que sempre faz a diferença quando ela pisa no palco. Já Danielle Rosa mostrou a exuberância e força cênica que lhe são próprias na releitura de “Bacantes” por Zé Celso e seu Teat(r)o Oficina. Furacão baiano do grupo, Danielle é pura antropofagia a cada aparição. Afinal, ela tem o que Deus dá.

Melhor iluminação: por "Wicked" - Foto: Divulgação

Melhor iluminação de 2016: Kenneth Posner, por “Wicked” – Foto: Divulgação

Melhor iluminação
Kenneth Posner, por “Wicked”

Um show de luzes para deixar o público hipnotizado e boquiaberto a cada cena, mergulhando sensorialmente o olhar do espectador na terra mágica de Oz.

Melhor cenário: Bob Wilson, por "Garrincha" - Foto: Julian Mommert

Melhor cenário de 2016: Bob Wilson, por “Garrincha” – Foto: Julian Mommert

Melhor cenário
Robert Wilson (Bob Wilson), por “Garrincha”

A elegância na construção de quadros vivos que consagrou o diretor norte-americano se fez presente mais uma vez nesta ode ao astro do futebol brasileiro e sua trajetória brilhante e trágica, na qual um belíssimo elenco majoritariamente negro fez renascer a paixão, o esporte e a poesia da vida.

Melhor figurino: Bia Pieratti e Carol Reissman, por "Cabaret Fucô" - Foto: Andre Stefano

Melhor figurino de 2016: Bia Pieratti e Carol Reissman, por “Cabaret Fucô” – Foto: Andre Stefano

Melhor figurino
Bia Pieratti e Carol Reissman, por “Cabaret Fucô”

As talentosas e jovens Bia e Carol demonstraram que não estão para brincadeira neste mercado teatral, criando um figurino exuberante para o cabaré de utopias e desespero do grupo Satyros, que não deixou de homenagear com seu brilho e cor sua maior diva, Phedra D. Córdoba, que adoraria usar cada uma das peças se aqui entre nós ainda estivesse.

Melhor trilha-música: "Bacantes", do Teat(r)o Oficina - Foto: Jennifer Glass

Melhor trilha-música de 2016: “Bacantes”, do Teat(r)o Oficina – Foto: Jennifer Glass

Melhor trilha-música
Guilherme Calzavara, Mali Sampaio, Ito Alves, Chicão e Moita, por “Bacantes”
Executada ao vivo, a música do Oficina, com sua Banda Antropófaga, é parte fundamental de qualquer de seus espetáculos. Em “Bacantes” não foi diferente. A virtuosa banda embalou o público na viagem sensorial e política proposta por Zé Celso e seus pupilos, sem qualquer espaço para bad trip. 

Revelação: Flavio Sales, por "Vias" - Foto: Gabrielle Vilaça

Revelação de 2016: Flavio Sales, por “Vias” – Foto: Gabrielle Vilaça

Revelação
Flavio Sales, por “Vias”

Flavio Sales já havia chamado a atenção em “Juliette”, mas foi em “Vias” que exibiu toda a sua coragem performativa na pele da drag queen Jordana BAH, seguríssima em cena e entregue à aventura desta vida cheia de brilhos e glamour. Flavio Sales é um dos melhores atores da nova geração da praça Roosevelt.

Melhor grupo teatral: "Coletivo Negro" - Foto: Divulgação

Melhor grupo teatral de 2016: “Coletivo Negro” – Foto: Divulgação

Melhor grupo teatral
Coletivo Negro
Os oito anos do emblemático grupo teatral que dedica seus espetáculos a refletir questões do povo negro foram celebrados com uma profusão de espetáculos em cartaz em diversos espaços de São Paulo durante todo o ano. Discutiram diversos aspectos da negritude, sempre com pesquisa farta e uma certeza de que fazem um teatro mais que fundamental para a cidade e o país. Por isso, são tão respeitados. 

Melhor projeto: "Música de 5ª", d'A Outra Companhia de Teatro, de Salvador - Foto: Andréa Magnoni

Melhor projeto de 2016: “Música de 5ª”, d’A Outra Companhia de Teatro, de Salvador – Foto: Andréa Magnoni

Melhor projeto
“Música de Quinta”, d’A Outra Companhia de Teatro, de Salvador-BA
No bairro Politeama, em Salvador, onde instalou sua sede, os meninos d’A Outra Companhia de Teatro apostaram na música misturada ao teatro para criar um ambiente inclusivo e diverso, mesmo que muitas vezes enfrentando perseguição, afinal, arte de qualidade incomoda o sistema careta e perverso. A trupe demonstrou que faz a diferença e que enxerga o teatro muito além do palco, fazendo um profundo diálogo com a sociedade em seu entorno e dando exemplo a outros grupos do Brasil.

Melhor festival: Festival de Teatro de Curitiba - Foto: Daniel Sorrentino

Melhor festival de 2016: Festival de Teatro de Curitiba – Foto: Daniel Sorrentino

Melhor festival
Festival de Teatro de Curitiba
Não é à toa que Curitiba é dona do maior festival de teatro do Brasil. Por ele passam todos: a turma intelectual, do humor, do stand-up, do teatrão, do experimental, do drama, das comédias, da dança contemporânea, da dança clássica e de tudo mais que possa a vir existir no mundo das artes cênicas, sempre sob comando de Leandro Knopfholz, que faz a magia do encontro mais esperado do ano acontecer a cada ano. Há 25 anos. Merece nosso respeito e aplauso.

Melhor teatro-espaço-programação: Teatro Porto Seguro, em São Paulo - Foto: Divulgação

Melhor teatro-espaço-programação de 2016: Teatro Porto Seguro, em São Paulo – Foto: Divulgação

Melhor teatro-espaço-programação
Teatro Porto Seguro
Conforto aliado a um tratamento educadíssimo fazem a diferença no Teatro Porto Seguro, que ajuda a recuperar uma região degradada do centro de São Paulo. O espaço é novo, mas já tornou-se nobre e muitíssimo bem frequentado, além de oferecer uma programação variada, que tenda atender a gostos distintos e diferentes linguagens. Que bom.

Melhor espetáculo internacional: "Camargo", da

Melhor espetáculo internacional de 2016: “Camargo”, do La Congregación Teatral, da Colômbia – Foto: Divulgação

Melhor espetáculo internacional
“Camargo”, do grupo La Congregación Teatral, da Colômbia
O grupo colombiano investigou a mente de um psicopata que matou mais de 150 mulheres neste espetáculo-thriller que deixou o espectador mergulhado em seu enredo da primeira à última palavra dita em cena, no melhor do teatro latino-americano contemporâneo. 

Personalidade: Phedra D. Córdoba - Foto: Bob Sousa

Personalidade de 2016: Phedra D. Córdoba – Foto: Bob Sousa

Personalidade do ano
Phedra D. Córdoba
Phedra D. Córdoba, a maior diva cubana que o teatro brasileiro adotou, começou o ano no palco, fazendo “Pessoas Sublimes”, com seu grupo Os Satyros. Ficou doente e precisou se ausentar da cena. Mas, pouco antes de morrer, em abril, aos 77 anos, pôde ver um espetáculo no Teat(r)o Oficina, “Phedras por Phedra”, no qual pôde sentir, ao lado de Zé Celso e de seus amigos, todo o amor da classe artística e do público por ela. Do céu, Phedra deve ter acompanhado orgulhosa a última edição do festival Satyrianas, em novembro, dedicada à sua figura. De arrepiar.

Veja os melhores do teatro no primeiro semestre de 2016

Veja os melhores do teatro no segundo semestre de 2016

Siga Miguel Arcanjo Prado no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Sobre o autor

Miguel Arcanjo Prado é jornalista formado pela UFMG, pós-graduado na USP e mestrando em Artes na UNESP. É vice-presidente da APCA. Mineiro de Belo Horizonte, vive em São Paulo desde 2007. Passou por TV UFMG, O Pasquim 21, TV Globo, Curso Abril de Jornalismo, Contigo!, Folha de S.Paulo, Agora, R7, Record e Record News.

Sobre o blog

O Blog do Arcanjo conta de um jeito leve e inteligente o que rola nos palcos e nos bastidores do mundo do Entretenimento.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Blog do Arcanjo
Topo