Topo
Blog do Arcanjo

Blog do Arcanjo

Categorias

Histórico

Quase 40 mostra mulheres na crise da idade da loba

Miguel Arcanjo Prado

2024-02-20T18:09:39

24/02/2018 09h39

Cena da peça "Quase 40", em cartaz sábado, 19h, no Teatro Viradalata, em SP – Foto: Fábio Benites/Divulgação

Para muitas mulheres, a chegada aos 40 não é nada fácil, sobretudo por pressões sociais.

Este é o foco da peça "Quase 40", em cartaz em São Paulo, no Teatro Viradalata (r. Apinajés, 1387), com sessões aos sábados, 19h, com ingresso a R$ 25 (meia) e R$ 50 (inteira), até 3 de março.

A obra escrita e dirigida por Wagner D'Avilla mostra um grupo de mulheres solteiras e independentes próximas a completar 40 e que se veem diantes de cobranças como namorar, noivar, casar e, claro, ter filhos.

"O texto foi inspirado a partir de relatos de mulheres reais que transportadas para o palco dão o tom de ficção. Acho que esse é o ponto forte da peça", defende o autor.

D'Avilla revela que todas as pressões que caem na cabeça das futuras quarentonas estão na sua peça: "Casar, ser bem sucedida, ter filhos, ser boa mãe, ser boa esposa, ser boa profissional e cuidar de si mesma. As mulheres de hoje enfrentam uma pressão social que se estende a uma pressão pessoal", avalia.

Estão no elenco Grace Porto, Juliana Balbino, Juliana Preto, Marcelle Kaiser e Olivetti Herrera.

"Quase 40" mostra agruras femininas com a chegada da meia idade – Foto: Fábio Benites/Divulgação

Juliana Preto, que faz a personagem Julieta, diz que a peça é também um modo de as mulheres pensarem sobre si mesmas.

"A comédia sempre foi utilizada para muitos fins, inclusive para contestação. Eu tenho pra mim que as pessoas conseguem absorver muito mais com o riso, porque estão num momento sem defesas, entregues ao que assistem", diz.

A atriz relela qual é o papel do homem na montagem.

"Nessa peça, o homem é o objeto. Brincamos com essas trocas de papeis, onde a mulher é quem comanda. O homem até pode achar que está levando vantagem, mas somos nós que temos o controle da situação", avisa.

Único homem em cena como Dominic, o ator Olivetti Herrera define a montagem como "um espetáculo atual e inteligente, que fala de uma forma divertida os dilemas enfrentados por mulheres com quase quarenta anos".

"Meu personagem potencializa questões sobre o que as mulheres querem e esperam de um homem. São explorados diversas questões pelo ponto de vista feminino e que muitas vezes são divergentes", conclui.

Siga Miguel Arcanjo no Instagram
Curta Miguel Arcanjo no Facebook
Siga Miguel Arcanjo no Twitter

Sobre o autor

Miguel Arcanjo Prado é jornalista, mestre em Artes pela UNESP, pós-graduado em Mídia, Informação e Cultura pela USP e bacharel em Comunicação Social pela UFMG. É crítico da APCA (Associação Paulista de Críticos de Artes), da qual foi vice-presidente. Mineiro de Belo Horizonte, vive em São Paulo desde 2007. Passou por O Pasquim 21, TV UFMG, Rádio UFMG Educativa, TV Globo Minas, Curso Abril de Jornalismo, Superinteressante, Contigo!, Folha de S.Paulo, Agora, Uma, R7, Record, Record News, Rede TV!, Claudia, Band, Gazeta e Rede Brasil. É jurado dos prêmios APCA, do Humor, Bibi Ferreira, Sesc Melhores Filmes, Risadaria e Aplauso Brasil. Foi eleito duas vezes um dos dez melhores jornalistas do Brasil na categoria Cultura em Mídia Eletrônica pelo Prêmio Comunique-se.

Sobre o blog

O Blog do Arcanjo mostra o que acontece e quem é destaque nos palcos, telas, salas e bastidores do Entretenimento e da Cultura de um jeito leve e inteligente.